sábado, 24 de setembro de 2011

Comunicação nas mídias sociais

Why write about love B&S? Let's work a little.... #lovejob


Impressões após circular por mesas multifacetadas







Ideia Aberje Digital – Gestão estratégica da Comunicação digital nas mídias sociais
2011

Mesas de Conferência:

  1. A importância do monitoramento da marca nas mídias sociais (Alessandro Barbosa Lima – CEO da E. Life)
  2. Estratégia de mídia online: relacionamento digital com o mercado (Fábio Cipriani – Deloitte e Kraft foods)
  3. Como lidar com o consumidor nas redes sociais (Edmar Bulla – Consultor em Marketing Digital)
  4. A Interação nas redes digitais no mundo corporativo (Luli Radfaher – Doutor em Com. USP)
  5. As novas ferramentas de interação social (Fernando Neves Diretor da Ketchum Digital)
  6. Redação e informação para internet e mídia digital (Bruno Rodrigues – Consultor de Mídia)

Palestras
  • Mensuração nas redes sociais (Marcelo Coutinho – Diretor de Inteligência de Mercado da Terra)
  • Gestão de crises nas redes sociais (Pollyana Ferrari Consultora de Mídia Social e Hélio Muniz ex-Diretor de Comunicação da GOL e atual Diretor de Comunicação da Mc Donalds).
Impressões:

  1. - As mídias sociais estabeleceram-se como um verificador de socialização, capaz de realizar o referenciamento de discursos e novas narrativas. As redes causaram a descentralização dos grupos de discussão.
- O monitoramento contribui para o acompanhamento do impacto imediato na valorização da imagem organizacional.
- As grandes discussões e crises de imagem nas redes digitais tem alto impacto em curto tempo. A reverberação da mensagem no meio tem a duração estimada de duas horas.
- Para mensurar a reputação de uma organização e seu posicionamento em rede social é fundamental utilizar a metodologia MAPA (Monitoramento, Análise, Posicionamento e Ação) e definir um histórico em Social Business.
- É fundamental verificar os gargalos de relacionamento da Empresa, o nível de informação e satisfação do público alvo.
- Terceirizar a gestão das mídias sociais é um erro, uma vez que a ferramenta é para disseminação do discurso organizacional e para agregar valor ao negócio; exigindo assim conhecimento sobre a identidade setorial e organizacional. Em último caso, pode-se terceirizar o monitoramento e a mensuração básica.
- O posicionamento da Empresa em tempo hábil é decisivo para o fim de uma crise nos meios.
- Atualmente, verifica-se pouco diálogo entre as marcas e os usuários das Redes. É preciso que as empresas passem a agregar valor e transformar as mensagens, estabelecendo uma comunicação direta com seus públicos.


  1. A avalanche de conceitos e formas de comunicação não deve sobrepor os valores corporativos e a posição da Empresa no mercado. Embora de caráter imediatista, o relacionamento em rede digital antevê um processo de relacionamento de longo prazo, de maneira interativa, transparente e, essencialmente, imediata.
- Importante ressaltar na Política de Segurança da Informação da Empresa, que os empregados não são porta-vozes da Empresa. A gestão corporativa das Redes é de responsabilidade da área de Comunicação e a utilização particular do meios deve ser realizada com responsabilidade e bom senso.
- Sugiro inserir um guia de boas praticas em redes sociais digitais na Política de Segurança da Informação da Empresa. Ex: Conectar-se a chefes em redes sociais pode causar problemas [Postura invasiva, superexposição]. Postar mensagens relativas a rotinas e ambientes de trabalho, bem como temas relacionados ao setor e atividade da Empresa.
- É preciso definir o perfil de privacidade desejado ao operar as redes sociais.
- A correta utilização das redes é um caminho para encontrar espaço na mídia tradicional, reforçando o discurso da Empresa. A Rede Social pode ser uma plataforma para humanizar o contato da Empresa com o público alvo.


  1. Tecnologia é o fetiche da pós-modernidade. Permite a sensação do indivíduo em se tornar um newsmaker e mudar o fluxo comunicacional em termos de produção, consumo e profundidade de informação.
- As empresas necessitam gerar índices para verificar a eficiência da comunicação digital e entender o consumidor, diagnosticar sua identidade.
- Devemos esquecer o conceito de Campanha (que tem início, meio e fim) – Publicidade; e realizar o Relacionamento (firmado em Continuidade) – Comunicação.
- A presença da Organização nas Redes Digitais deve ser útil tanto em termos de formato, quanto referente ao conteúdo. As Empresas têm de traçar a Relevância Cultural de seu posicionamento. Deve respeitar a identidade cultural de seu público e adaptar sua mensagem sem perder o foco no negócio da empresa (mitigar impactos socioculturais derivados de sua atividade).
- O consumo em mídias online tem crescido a revelado a tendência em uso de tecnologia mobile (smartphones e tablets), sendo que os sites corporativos condensam a mensagem séria, oficial e aprofundada. As redes sociais como mecanismos de posicionamento, disseminação de link para conteúdo corporativo.
- As métricas geradas para mensuração em mídia são uma base para verificação de imagem, mas é importante também considerar o código cultural da Empresa e onde ele está localizado na sociedade.


  1. Todo o trabalho em mídia social digital se resume na tradução de duas palavras em alemão que significam: Entender o que está acontecendo agora / Como isso encaixa em nossa visão do mundo.
- A cultura do mobile revelou uma escassez na eficiência dos serviços.
- O Facebook pode ser considerado não uma plataforma, mas um país multicultural, o terceiro mais populoso um ecossistema. E também uma prisão digital que revela costumes e anseios da população cada vez mais digital.
- As empresas precisam compreender a rede social (analógica, física e digital) da qual faz parte, reconhecer a identidade da organização nessa rede.
- Após entender o que está acontecendo agora. Identificar a vanguarda comunicacional e entender como isso se relaciona aos valores da Empresa e suas diretrizes de relacionamento com as comunidades.


  1. O registro de impressões de marca e percepção de mundo expandem as mensagens sem muitas vezes alterar o conteúdo, mas sim sua reverberação. A brincadeira do “telefone sem fio” foi digitalizada. A retro-alimentação do conteúdo reforça a importância do mass media na definição do agenda setting das redes sociais. Os veículos de massa não controlam, mas interferem e até certo ponte referenciam a pauta das redes sociais. Desta feita, o posicionamento em rede social é também um desdobramento das ações de Assessoria de Imprensa.
- A nova plataforma garante um relacionamento multilateral com a informação. Os canais de Comunicação permitem diferentes posicionamentos dos usuários em relação a um assunto. Como lidar e interagir com os diversos personagens que formam o indivíduo é um dinâmico desafio para a comunicação corporativa.
- As novas mídias permitem ao profissional de comunicação traçar perfil de Relevância e identidade cultural do consumidor (público alvo).
- A plataforma é apenas um meio. É importante o planejamento e modelo de posicionamento junto ao público.


  1. Diante do consumo desestruturado de informação e da saturação de mensagens e veículos, é fundamental objetividade, agilidade e transparência na construção das narrativas corporativas. Estudos indicam que até 2015 a informação será duplicada a cada duas horas, em função da pouca profundidade e capacidade de absorção dos usuários diante da enxurrada de dados.
- Os textos devem usar corretamente de hiperlink e interlink, referenciamento de conteúdo e tráfego de dados. Ter clareza, simplicidade e estrutura que garanta aconchego e respiro à leitura. Deve-se ter amarração entre as mídias sociais, os mecanismos de busca e os sites corporativos. Sendo que a informação aprofundada encontra-se neste último, tornando os outros mecanismos de disseminação de links, e posicionamento imediato.




Palestras
Mensuração

Devemos estabelecer matrizes simples de mensuração para diagnosticar a reputação e influência da Empresa nas mídias sociais digitais. A participação da Empresa nas redes deve agregar valor ao negócio, reduzindo custos ou gerando vendas. No caso de uma Empresa de base florestal (celulose), a presença agrega valor às Relações Institucionais da Empresa e no posicionamento junto às comunidades. A penetração da marca depende também da identidade do setor nos meios e da postura dos concorrentes.
As métricas são apenas estratégias balizadoras para as ações. A métrica mais utilizada para mensurar o índice de reputação teve sua origem nas fórmulas de assessoria de imprensa.
Exemplos:

Favorabilidade = n de comentários total – nº comentários negativos
nº comentários total


Quando a gestão das mídias sociais é terceirizada, a métrica de mensuração utilizada envolve, premissas de retorno sobre investimento:

Return Marketing Invest.
ROMI = Receita gerada x margem de lucro – investimento
valor do investimento

ou

Return Ivest.
ROI = Lucro líquido
Investimento


Subjetividade = Comentário Positivos + Comentários Negativos
Comentários Neutros

Índice de Penetração = Comentários Positivos
Comentários Negativos

O custo relativo de um seguidor pode ser calculado da seguinte forma:

CS = R$ hora do gestor de mídia social
nº de seguidores

Importante lembrar que Audiência (número de seguidores) não é influência. A análise de profundidade da mensagem deve ser considerada antes de declarar um comentário como crise de imagem comunicacional.
A mensuração é base e não regra de posicionamento. No entanto, ela contribui para melhoria da estratégia de comunicação nos multimeios e deve ser um desdobramento da ação de monitoramento das redes.
O Nodexl é um free software com diálogo com plataforma Excel, que permite mapeamento das redes e identificação de formadores de opinião na rede corporativa.
Por meio da identificação de um formador de opinião, uma empresa pode antever gargalos na comunicação e antecipar a uma possível situação de crise.


Gestão de Crises


A temporalidade de uma crise é determinada pelo índice de transparência e posicionamento de uma organização.
É fundamental identificar os gargalos de comunicação e relacionamento, analisar e definir estratégias de ação, determinando ações básicas.
A Rede Social Digital é uma janela aberta em um prédio alto, localizado em um condomínio populoso, onde cada um grita o que quer.
Quando a corporação compreende o poder do Buzz Social (mensagem nas redes), ela se abre à espontaneidade e oportunidades de dialogar com o Ser Social que agora é um produtor e disseminador de conteúdo de forma mais intensa e com maior alcance.
A Empresa não pode ser refém da crise, mas encontrar nela oportunidade de reforçar sua marca. Criar compreensão sobre os problemas e possíveis erros. As premissas para gestão de crise em imprensa se aplicam à gestão de crise em mídia social. Todavia, em virtude do espaço limitado para um paper de posicionamento completo nas mídias sociais, uma mensagem corporativa deve referenciar por meio de link ao site corporativo com a posição oficial da empresa; e atualizar de forma pontual nas redes sociais. Todo questionamento deve ser respondido, de acordo com a priorização dos formadores de opinião.
A gestão da narrativa e posicionamento da Empresa é de responsabilidade da Comunicação Corporativa da Empresa.
A Empresa, de acordo com o impacto da crise e a demanda por informações complementares, pode utilizar os meios eletrônicos para disponibilizar o posicionamento da Empresa (VT do Presidente no site / Texto completo do Paper de Posicionamento / Fotos oficiais / Áudio do Vt para rádios).
A presença da Empresa nas mídias sociais deve esboçar simpatia e prontidão perante ao público. Transparência e sobriedade são determinantes não apenas quando surge um momento de crise.

now we can come back to.....


Um comentário:

  1. http://www.youtube.com/watch?v=zMnMn_8WjkM&feature=colike

    ResponderExcluir