sexta-feira, 5 de abril de 2019

entrelinhas do sopro


Sou
Dedilhado à superfície das correntes águas.

Suo 
Trepidando no vento que perpassa as montanhas.

no silêncio pousar do beija-flor
na harmonia de cheiros, texturas,
desejos e suspiros.

Voo nas cores que delineiam o horizonte 
sem o rompante dos infantes
sem o afoito feito dos incautos
Maturo e misturo
ouço o tempo
sinto atravessar-me a vida
Fluo 
na continuidade do verso que amanhece

beiras



À beira do tempo
o abismo responde
suspiro de esperança 
que se dobra ao horizonte.

A intensidade do olhar
na simplicidade de ser
leveza sustentável que se revela.

;

quarta-feira, 6 de março de 2019

Relâmpagos da narrativa



Desafio de comunicar e proporcionar a fluência dos processos sociais sem atravancar a retenção de mensagem, formação da consciência do cidadão e manutenção do caráter do indivíduo. É realmente necessário educar a comunidade sobre o negócio dos setores? Não há espaço para manipulação velada, mas esse processo de "educação" da comunidade não pode se estruturar sobre a premissa de ser apenas um defensor setorial.

Algumas variáveis devem entrar no escopo de análise de quem se propõe a atuar profissionalmente (defendendo setores e marcas) como agente de comunicação na contemporaneidade (Considerando que enquanto indivíduos atores sociais todos atuam naturalmente como agente de comunicação na sociedade).

- Excesso de informação
Amplificou-se o reverberar das narrativas dos indivíduos, aumentou o número de narradores com poder de manifestação, via fácil acesso a novas tecnologias e plataformas de comunicação. A Avalanche de informação sobrecarregou a sistema de relevância dos indivíduos. Dificultou a triagem. Qual informação é essencial? Diferencial? Irrelevante?

- Vulnerabilidade da intimidade
Com a intensificação dos fluxos de comunicação e exposição de pensamentos e acontecimentos pessoais, criou-se uma intimidade digital entre conhecidos, tornando vulnerável a intimidade do indivíduo e passível de interferências não com objetivo pessoal, mas talvez até setorial.

- Clamor natural por um propósito 
Soma-se aos desafios do mercado, a necessidade natural do indivíduo e também da coletividade, por um propósito. A reputação de um setor ou marca não passa por ser A MAIOR, A MELHOR, A MAIS TRANSPARENTE, mas sim ter um propósito que esteja em harmonia ou alinhado com os propósitos de um grupo (coletividade) e também do indivíduo (pessoal).

- Consistência e participação 
Neste sentido, as ações e narrativas precisam ter consistência e manifestar a participação efetiva do narrador na sociedade. Como ser que atua, interfere e sofre interferência. Integração.

As plataformas de comunicação são meio (que às vezes tratado como fim), a interação e reação das pessoas é o objetivo que modula em essência, mas não em natureza. As narrativas devem compreender seu papel de tradução de conflito e convergência de "significantes" em uma mensagem outra, que vai além na paisagem, em busca de uma mensagem de amplo acesso e aceitação (não por imposição ou massificação).

A vanguarda na comunicação permanece o Santo Graal. Muitos empunham cálices, cruzes e projetam conceitos ao ar... afora os ciclos de clichês... há quem diga que o encontrar o almejado Graal da Comunicação e narrativa, se realiza no exercício e não no fim da busca.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Des - perdida


Caminhava distraído pela manhã. O canário pousou repentinamente na minha frente, sorriu e alçou voo. Assim minha manhã, dentro de mim, teve ainda mais leveza e paz. Um amigo recitou "vamos nos perder no tempo", como um lamento, sem perceber que se mudasse o olhar sobre a frase, a vida seria outra... e a borboleta gasta pelos errantes voos sinceros fez pouso em minha janela, paralisou e depois levou meu olhar, e nas asas fez ressoar um "vamos nos perder no tempo"

Vamos nos perder no tempo, um aviso, uma promessa
Vamos nus, perder no tempo, prelúdio da liberdade
vamos nos perder no tempo, um convite, a viver a vida
vamos nos perder no tempo, a constatação do horizonte distante que brota dentro de nós....


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

O presente iminente no futuro que se almeja




A construção da realidade social passa pelo interesse. Interesse constituído pelas vontades, necessidades individuais, e pelo consenso coletivo subsequente. O sujeito está cada vez mais centralizado como ator social individualizado, interferindo na Rede Social para apenas atender seus objetivos, isso até mesmo quando demonstra nuances de altruísmo. Este aspecto fica latente quando consideramos a leitura que Adorno faz do indivíduo em sociedade, enquanto sujeito, onde por mais que se submete a fluxos impostos por uma liderança social, ele executa suas escolhas tendo como motivado os próprios interesses, as respectivas singularidades. Neste cenário de impulsionamento do individualismo na sociedade, é importante também refletir sobre a construção de sentido, sobre as mensagens que disseminam consolidam e derrubam padrões culturais.

Para as Empresas atuarem de forma satisfatória no mercado, é preciso perceber e conhecer a mutante configuração social, os mecanismos de interferência e a maneira de interagir. A viabilidade do negócio depende da versatilidade dos gestores das organizações.

O presente é imediato. A iminência corrente do futuro almejado pelas pessoas e organizações. O Planejamento estratégico é fundamental para a perenidade das entidades. Maurício Fernandes Pereira (2010) discorre em Planejamento Estratégico (teorias, modelos e processos) a premissa de Platão para desempenhar as atividades em ordem de prioridade (Belo / bom / verdadeiro / útil). Parafraseando-o podemos perceber que é o belo é o Ideal; o bom o máximo possível; o verdadeiro é o possível mediano; o útil é o básico. Em sua obra ele discorre das alternâncias dos modelos de construção dos Planejamentos ao longo dos anos e revoluções sociais, passando pela industrialização e culminando nas correntes do Século XXI e as Escolas de formação de estratégia: Empreendedora, Cognitiva, de Aprendizado, do Poder, Cultural, Ambiental. Sendo que nenhuma é melhor ou pior, mas são rumos que podem ser seguidos, seja ele pelo viés da Concepção; Formal; Analítico; Visionário; Processo Mental; Emergente; Negociação; Coletivo; Reativo ou de Transformação.

Antes de formular seu planejamento estratégico a organização deve compreender que está num rio pensando nas águas que virão, mas se molhado pelas águas que se foram e constantemente se vão. Diante deste paradoxo, é preciso verificar qual o propósito geral e específico da organização, sua competência para executar, disposição de investir nas ações necessárias e versatilidade para rever posicionamento e evoluir diante de possíveis intempéries.

A definição de um plano estratégico eficaz considera a resiliência e a flexibilização do olhar a configuração social contemporânea e as tendências. Neste cenário, a inquietação social (baseada na curiosidade) é essencial para tencionar paradigmas e adequar perfis em prol de licenças sociais. 


Ciente de qual o respectivo propósito, a empresa terá concebido o resultado esperado, mas deve ter bem definido qual o lastro desse resultado, para quem ele será destinado e até quando. A vida em sociedade (seja público ou privado) baseia-se na interação de pessoas. Pessoas que atuam como Indivíduos e Atores Sociais.

Elaborar, gerir um planejamento estratégico é conduzir um processo de pessoas; trabalhar potencialidades e limitações. Afora as plataformas tecnológicas, a dimensão humana é o diferencial de uma empresa. Enquanto teóricos discorrem sobre a criatividade ser inato (Fustier e Fustier 1985 / Bono 2000/ Abraham Maslow), outros a apontam como um diferencial de ocasião (Szent-Gyorgyi). O poder criativo da coletividade depende de como as pessoas são trabalhadas individualmente. Como a cultura da organização de alinha à do indivíduo e como o seu potencial criativo é recebido no ambiente da gestão estratégica. Uma ideia para conceber-se criativa e maturar em inovação precisa de tempo e espaço. É preciso exercício, capacitação; e um equilíbrio entre liberdade e autonomia. Para criar e inovar é preciso expandir fronteiras, mudar o modelo mental firmado em paradigmas e manter-se na constante busca pela vanguarda perene.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

licenças




Cada vez mais em voga, a interação dos atores sociais modelou-se como fator essencial no modelo de negócios das empresas. Não há espaço para apenas filantropismo ou discursos bem estruturados de publicidade de atuação social, de Responsabilidade Social. O novo modelo das sociedades e da viabilidade dos negócios exige que haja um Investimento Social Corporativo bem planejado, justificado e efetivo. O desdobramento das ações, mais que a publicidade do fato, deve promover influências positivas na configuração social da comunidade contemplada.

Seja por meio de conflitos operacionais e políticos com as comunidades, seja por meio da imposição de órgãos certificadores, as empresas se atualizaram no que concerne à interação social, tendo a ciência de que não há como subestimar a opinião pública. Os players passaram a perceber (de forma gradual) que não basta ter licença operacional e ambiental para uma empresa operar, é fundamental uma licença social, uma aceitação por parte da comunidade afetada, da interferência dos processos da empresa no ritmo e na paisagem regional. Este é um fator determinante para a imagem e reputação organizacional. Mas esta aceitação não é imposta, é conquistada (e não de forma soberana) e requer constante manutenção. Trata-se de uma chancela volúvel, que exige sabedoria além de técnica para perceber, analisar, interagir e comunicar.

E para compreender o que vem a ser a licença social a que se propõe obter, é interessante saber o que significa e como estão presentes os demais atores da sociedade como os Negócios Sociais (que difere de uma organização sem fins lucrativos, pois deve buscar lucro moderado para expandir o alcance da empresa, melhorar o produto ou serviço sem tornar-se essencialmente comercial, tampouco desmembrar-se da missão social).

Neste ínterim, a comunicação feita de forma adequada é o diferencial para tratar de temas polêmicos sem estardalhaço e sem propagandismo, mas com sobriedade, transparência e tempo hábil. Ao invés de consolidar midiaticamente conceitos e multiplicá-los, é fundamental tornar efetivas as ações de interação social e seus desdobramentos correlatos. Antes de fazer reverberar mensagens em grandes planos de mídia, é fundamental uma dedicação maior e intensa na construção das mensagens e sua devida formatação. Este é um dos gargalos do mercado da comunicação contemporânea: no afã do imediatismo, alimenta-se o propagandismo de ações nas diversas plataformas disponíveis, em busca de audiência, mas não de retenção de mensagem e transformação. 

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

conteúdo da forma



Intermitente reflexão sobre os valores dos fluxos, das pessoas, das coisas, mergulha nosso olhar ao redor com um distanciamento enigmático. Um pedaço de papel, dinheiro, certidões, contratos, escrituras, endereços, contas, rendimentos. Números na rede, signos, símbolos dos nossos rótulos. Todavia ainda tudo permanece sendo o que é. Quando sopramos para fora das coisas o sentido que colocamos nelas, podemos perceber que elas são o que são.

Espaços, objetos, reputação, imagem, relacionamentos. Firmamos no horizonte nossos objetivos, por cassa, carro, riquezas, relacionamento, sucessão de gozo e legado. Alternamos nosso tempo entre dedicação, confrontamento e descanso, até sucumbir aos últimos dias de vida. Flanqueamos estandartes dos propósitos, queremos mudar opiniões, olhares e gostos.

Se viva a planta está, consome nutrientes, rompe a terra, vive, floresce e morre. Perpetua-se no pólen que cede, na cor que pinta a paisagem, no verso que inspira o homem. Nasce vive morre homem. Interfere na paisagem  desejando assiná-la, rimando por às vezes assassiná-la. Contudo, belo é seu intervir quando pinta a paisagem, de modo a propiciá-la ainda mais bela ao próximo, mesmo sendo este, cego.


quarta-feira, 21 de novembro de 2018

mandala



Bandeira dai-me
ideologia era
tempo que passa
rugas da tragédia

                                            Canto que rima
                                         ensina a sina
                                           assina a cisma
                                              do conto da vida

                                         Era o tempo
                                         era e não era
                                         o que se espera
                                         quando se faz esperar

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Espaço como experiência


A criação de significados e significantes (individuais e coletivos) opera os mecanismos de reputação que equilibram os fluxos sociais.  Desorientado, o indivíduo em um mundo globalizado busca por referência em seu repertório e ao redor, para lidar com a nova configuração do pacto social. Uma globalização de recursos, de potenciais, de demandas e das mazelas; que gerou integração e sobreposição de culturas e mercados. Integrou-se assim os fluxos de apropriação territorial e estruturação dos padrões sociais, reverberando nos processos de comunicação.

No entanto, o âmbito das decisões pertence a uma microrrede (escala local) e a distribuição / padronização destas decisões transcorrem por uma macrorrede (escala global). Neste cenário, faz-se necessário compreender o espaço dos fluxos e o espaço dos lugares, para assim entender como atuar (interagir e influenciar).

A estrutura do emissor - mensagem  - receptor - significante ganhou complexidade sob o aspecto do tempo, uma vez que os receptores são emissores em potencial. narradores e consumidores, sem necessidade de um meio oficial. A multiplicidade de plataformas, linguagens e audiência mudaram a paisagem. Cada indivíduo é um epicentro social de interação (estrutura e fluxos em rede). Neste ínterim, a evolução e desenvolvimento  geram e alimentam a crise constituindo um movimento em onda. O movimento em onda do sistema trouxe uma nova configuração social de empoderamento e desequilíbrio.

Uma paradoxo pode ser observado. A Sociedade busca no dia a dia mais comodidade [espaço para crescer] - Desenvolve tecnologias, muda forma, comportamento e conteúdo das narrativas [empodera o consumo / crédito / poder - nova sociedade] - Gera crescimento, Desorientação e Dívida [instaura crise] = A Sociedade busca no dia a dia mais comunidade [mudança - renovação de ciclo].

Assim, a relação dos indivíduos com o tempo e espaço deixa de ser apenas algo na dimensão física. Antes de conceituar os espaços como público ou privado, é importante olhar tanto de longe (visão de paisagem) quanto de perto. Conforme discorre Manuel Castells em sua obra (Sociedade em Rede), a percepção do indivíduo sobre espaço e tempo alcança a dimensão da experiência, da vivência. Estrutura e função conforme as redes.

Acompanhando a ideia do espaço enquanto experiência, tem-se o espaço dos fluxos como algo na dimensão do Poder / Relações Sociais / Transição de paradigmas / Ambiente do Ator Social. Os espaços dos lugares configuram-se onde há Significante Cultural / Ambiente do Indivíduo.

A partir desta renovada leitura sobre os aspectos contemporâneos de organização social, pode-se  obter uma visualização mais apurada da territorialidade e com isso construir de forma mais assertiva as estratégias de atuação enquanto ator (ser) social de forma a proteger-se enquanto indivíduo.



;

domingo, 30 de setembro de 2018

relva



Metade de mim é o que vento leva, 
quando pega meu olhar e afaga minha face.

Manhã de quase sono, quase frio a descoberto.
 Repentinamente a chuva desce
sutilmente sobre mim.

Suspenso no ar encontrava pouso
 nas intermitências da razão.


segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Colibri



Contorções e espasmos. Desdobra-se sobre mim ó território das possibilidades e instantes. Então, o próximo movimento é de uma paz sem conceitos. O papel desconhecia o peso que a pena suportava de minhas mãos emocionadas. Tão natural a emissão dos traços, que não havia a ansiedade de prever formas ou sentidos. O texto não absorvia a intensidade das palavras que de tão pessoas, revelavam-se comuns, com a mesma importância de qualquer uma.

Era uma relação diferente agora com o que marcava o tempo e o que o tempo marcava. Os traços no reflexo do espelho eram menos poéticos e mais expressionistas. Permitiam a leitura do tato, harmonizada com uma degustação de ideias sem pressa.

O relógio marcava 10:10. Os ponteiros de hora e minutos não se moviam. Mantinham-se como um pássaro em voo pleno. Se tentasse forçar eles se moverem, eles se limitavam ao mesmo quadrante. Se por um acaso acionava-se o mecanismo, voltava para a outra posição, ficava parado em 10:10. O ponteiro dos segundos intermitentemente se movimentava entre os segundos 14 e 15. Às vezes parava na marcação de 15 segundos. Estava instaurada outra relação com o tempo. Ele nem passava, e passava; compasso percebido e marcado nem era.

Anjos na memória, inundando o ser de vida; anjo no espelho, tomando decisões sem vícios. Anjo nos ombros, marcando para o porvir, um pouco do que jaz no ser mente, corpo. Asas sóbrias de um voo sombrio. O voo que solta ao vento a pena, que como caneta se atreve a tocar a paisagem. Sem bando, sem estridente canto, sem gaiolas, sem gaiolas. Afora as ilusões de bebedouros artificiais, erguidos como um suspiro na cinzenta metrópole de paisagem deturpada. Sobrevive o pássaro cor.

Neste instante o olhar possibilitou sobrepor o passado no presente sem arquitetar frustrações de futuro, mas deliciar-se com a formação de uma paisagem sensitiva, dentro. Momento de frescor sem vento, de sorriso sem sons e de suspiros sem versos em origamis.

Permita-se ao toque simples na pele. Que é toque e toca. Sem expectativas, sem conceitos elaborados, sem ... mas com tudo. O tempo que passa sem registro, mas que deixa marcas em nossa pele, em nossas mentes, interfere o nosso modo de olhar. Os ponteiros em eterno voo continuam a polinizar reflexões que além do papel e travesseiros, dos travessos sorrisos e faceiros gestos, travessias, continuam.

Quis de cortinas abertas ver o horizonte para me alimentar de paz. Suas asas perfazem no ar um caminho que o tempo não compreende; que o olhar não acompanha. Seu voo sem bando, seu canto quase mudo, as transformações do seu existir transcendem qualquer estrofe. Pássaro cor, o encantar denso do silêncio salutar.

Pássaro verso
Pouso transcende
Voo ascende
Horizonte que dobra
O que ao vento passa
Beija a flor
Pássaro cor



O que fica do que se faz?






O fardo das rugas
a leveza dos gestos
beleza natural do que ao redor se esvai;
O que fica do que se faz?

Pulsa nos vibrantes olhares
transformações que além da brisa
as cores e movimentos da vida
cravam na alma.

Os sabores perpassam dificuldades
enquanto suspiros dissipam mazelas.
Sorrateiro,
o silêncio se assenta ao lado da paz

O que se faz do que fica?


quinta-feira, 6 de setembro de 2018

A narrativa bate à porta?




Para comunicar de forma mais efetiva as narrativas corporativas (ou não) é preciso conhecer melhor o indivíduo atual e seu sistema de relevância. Como entrar com a mensagem na casa dele, se não conhecemos o que ele chama de casa? O processo de estruturação da narrativa deve considerar a atualização de seu destino. Onde irá chegar e como irá entrar? A corrente de conceitos que o indivíduo opera é a chave para o êxito na construção das mensagens e relações.

Lugares resignificados. Lares reestruturados. Não mais casa de mãe e pai. Agora às vezes a casa é de muitos filhos, sem pais. Outras, só pais e pais, ou mães e mães. Grande parte, casa de avós, que criam netos como uma "segunda chamada (rodada)" dos filhos. Espaços que são lares, independentemente da nova configuração; a missão dos lugares é atender à mesma demanda: ser um lugar para o indivíduo no mundo. Se será de tormento, de aconchego; como será o aprendizado e para onde irão os caminhos não está prescrito em busca de praça pública.  Quando com fé mudamos o olhar sobre a vida, sobre a matéria que nos cerca, sobre os conceitos que nos  fazem, sobre os gestores que reverberamos no espaço, o peso, a leveza de ser, se transforma de maneira sutil, embora intensa. A vivência, cada vez mais é posta como diferencial, afora o conhecimento, a vivência. Sentimentos e sensações, misturar-se às texturas, sentir o frescor e movimento do ar. Sentir o amargo sem demagogia. Utilizar das plataformas de comunicação sem se tornar refém ou algoz. Importante atentar-se a se desdobrar em vivenciar tempo e espaço por outras perspectivas.

O lar às vezes está carregado no pulso com os smartwatch, ou nos bolsos com os smartphones. Segunda tela, telas urbanas, as novas ondas do rádio. As narrativas via streaming correm como cavalo sem rédeas, puro pêlo. Os criadores de narrativas corporativas se jogam a tentar domar, se não conseguem, tentam correr em paralelo... que corrida maluca. Investem em jovens pensando que a energia dará conta, mantêm os antigos na esperança de algo seguro para magnetizar esta busca por comunicar melhor. O conflito de gerações nunca foi tão exposto e necessário. A sociedade líquida precisa refletir sobre seu estado de transição. Assim, as organizações precisam dedicar-se mais a um perfil analítico que possibilite simultaneamente atuar em multiplataformas com narrativas bem estruturadas (não na euforia ou envelopamento de discursos), de forma a dialogar.

Uma avalanche de treinamentos tem instigado os líderes a integrarem-se ao conceito de uma sociedade (e não apenas indústria) 4.0; envolvendo-se com a vanguarda. Entretanto, só haverá resultado efetivo se as ações destes gestores se desdobrarem em uma mudança real de atitude e atuação.

Para proteger a reputação e imagem das respectivas organizações; as empresas querem mudar a postura, o modo de atuar, e também de comunicar, mas não planejam as ações para obter os resultados; anseiam os resultados imediatos e atropelam os processos. Todavia, a busca de uma nova postura tem possibilitado posicionamentos e relações promissoras. Há esperança.

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

entre todos



A comunicação, seus conceitos, plataformas, mecanismos, ferramentas, perpassam a sociedade e respectivos fluxos. As entidades e organizações aparentemente evoluíram do senso comum (onde todos sabiam opinar sobre comunicação), seguido da segmentação (onde só o setor de comunicação era responsabilizado por comunicar) à maturidade de todos assumirem sua participação no processo narrativo das instituições. Entretanto, para isso fluir de uma maneira efetiva, contribuitiva, a capacitação é fundamental.

Neste sentido, profissionais das mais diversas áreas têm buscado cursos de especialização em comunicação, no intuito de se inteirarem com as possibilidades e prospectarem crescimento na carreira.

Do privilégio à necessidade, a comunicação - tão natural à sociedade - passou a ser percebida como processo básico e estratégico na manutenção das organizações. Além de estar antenado às mudanças tecnológicas, é preciso ir além do deslumbramento e absorver essas mudanças no seu dia a dia, transformando seu olhar e suas atividades.

Deseja-se que os trabalhadores possam assimilar as mensagens, apropriar-se da linguagem e multiplicar a narrativa corporativa, instituindo-se como um empregado engajado. No entanto, é importante estar ciente de que caminhos não são receitas.

Simultaneamente, deve-se atentar à comunicação como instrumento de transformação organizacional, não resignada ao plano de ação de um setor, mas interiorizado em cada indivíduo, como uma habilidade e não uma função. Se as empresas conceberem a comunicação como uma competência, devem para estimular seu exercício, criar ambientes de diálogos possíveis, onde os atores sociais possam falar e ser ouvidos. Ultimamente, as empresas têm usado as Redes Sociais Digitais para possibilitar este diálogo. No entanto, muitas deturpam o diálogo, excluindo ou ocultando falas desagradáveis para a empresa. Não se deve fazer isto, pois desconstrói a credibilidade da plataforma de diálogo. Caso não seja possível responder, posicione de forma a deixar claro que respeita a opinião do outro, ou até mesmo a deixe sem resposta, mas não apague. Neste campo o silêncio já é uma frase pronta.

A falta de abertura para participação dos líderes de comunicação em reuniões estratégicas do negócio das empresas, é um indicador da maturidade organizacional para comunicação e da relevância da área para a empresa. Este é um dos entraves de evoluir a área de comunicação de algo técnico e operacional para  uma área no coração da instituição.

A expansão de repertório faz-se necessária para oxigenar o cenário comunicacional. Esta expansão por sua vez, vem por meio do consumo cultural? Ou o referido consumo tem como fim a saciedade do sujeito; tendo como desdobramento as alterações de repertório.

Fato é que o monitoramento e avaliação de resultados deve acompanhar a evolução das plataformas, conceitos e modelos de produção (lembrando aqui também da cocriação). O Communication Controlling (ou Communication Performance Management) precisa ser maturado nas empresas de forma a possibilitar mensurações confiáveis e úteis na definição das estratégias de comunicação.

terça-feira, 3 de julho de 2018

sangria



Era a sangria de um dia frio. Ele não sabia se o gosto do café era prosa ou verso. Bebia descomedido, em copos. Os acontecimentos ao redor não tinham corpos. Apenas fluxos.

"Eu vou comer realidades para cagar suas ilusões". Comer realidades; defecar suas ilusões. A congestão da alma ao tocar o espelho no balanço do vento que me revela. A sanidade de outrora agora convergira na atrocidade de palavras ácidas (será algo que comido foi?) e olhares ávidos por aconchego. A paz que excede o entendimento vem no alento que ultrapassa a rima. As pegadas da madrugada não deixam marcas, nem quando do céu desce orvalho, cobrindo-nos. Nus.

O que foram dedos entrelaçados de mãos cansadas, tornaram-se o monumento soterrado no canto da sala, onde nem as aranhas arquitetam.

Passado está o tempo das encruzilhadas. Momento sutil onde todas as possibilidades estiveram pujantes, latentes, extremamente atrativas e com potencial de sucesso. Feita a escolha... o caminho continua e você apenas vê, numa paralela que se afasta em outra dimensão, aquilo que fora possibilidade e que agora é uma pintura viva na paisagem. O vento à face é um virar de páginas em que percebemos por um instante a sobriedade de seguir.

As ilusões diárias são nutridas para distrair o indivíduo continuamente e abstê-lo de refletir sobre sua passagem no tempo e não a passagem do tempo por ele. O automatismo que garante a fluência social é a trava para a evolução buscada.

Cada momento ruminado, na certeza de que se apressado ou lento tudo acontece, ou não. Assim, a caminhada, pensada e repensada no caminhar pode revelar que os rumos, os tempos, os fins, finais e inícios são apenas aspectos, pontos de referência em uma teia que vai além das três dimensões, do mecanismo de criar e sobrepor padrões; da dinâmica de gerar e se entrelaçar aos significantes.

A digestão das ideias, a congestão dos sentimentos. O sono aconselha o inquieto enquanto reorganiza os móveis dos questionamentos no salão dos ideais do amanhecer.



quarta-feira, 20 de junho de 2018

o toque além da vírgula


Afundando bem devagar o pé na terra. Era o passo que formado pedia outro; sem concatenar o desespero, mas revelando um caminhar de suave sobriedade. Além da vírgula o toque, depois do texto, a percepção de uma aspecto abstrato no ar. É como se os fluxos das vidas dos outros e a nossa pudessem ser vistos, ouvidos, esquecidos num piscar de olhos.

encaixando-se nos dias
as arestas que sobram ferem
abertas feridas petrificam-se ao chão
o caminho pisado pela ternura
duro caminho
puro brilho
instável inevitável
à esperança a deriva encontra
repouso

segunda-feira, 7 de maio de 2018

accumbens



O epicentro da movimentação humana. Parte da área do cérebro responsável pelo sistema de recompensa, sensação de prazer. As obsessões e apatias humanas estão relacionadas a como está a saúde e utilização deste local em nosso cérebro. Biologicamente necessário para motivar o ser humano a exercer, pelo prazer, atividades que garantem a sobrevivência (comer, movimentar, reproduzir e etc).

Núcleo Accumbens; Durkhein adoraria passear conscientemente por ali, para traçar como a sociedade modula sistemas, comportamentos, padrões e paradigmas.Parafrasear a sociedade líquida de Bauman e o estandarte dos pernósticos sociais em ser engrenagem julgando-se serem a chave mestra desta grande trama.

A saciedade buscada incessantemente extrapola as necessidades de subsistência das pessoas e alcançam um patamar de tortura social que se perpetua no automatismo, se dissemina no mimetismo evolutivo do passar das gerações. No entanto, os tempos no tempo são um desafio no equilíbrio do conflito das gerações.

A sociedade incompreende a percepção de tempo do outro, estabelecendo assim julgamentos de "atraso", "adiantado", "na hora certa". O conflito de gerações poderia ser amenizado se cada qual compreender como percebe o tempo e como o outro o concebe para assim coexistir no espaço tempo, interagindo nas diversidades.

Refletir sobre os paradigmas é mais que romper para estabelecer outros, ou questionar para subverter o que rege as relações sociais. A Reflexão mencionada aqui evoca uma madura reestruturação do modo como lidamos com o ambiente interno e externo do indivíduo, e como estabelecer integrações entre os padrões e paradigmas sem impor, mas conciliar. A motivação reordenada a partir da reflexão madura pode ser útil para viabilizar a vida em um planeta onde recursos naturais têm sua disponibilidade comprometida, e a proporção de habitantes (mais de 7 bilhões) com o acesso e disponibilização de recursos preocupa. A famigerada evolução da profanada raça humana pode conter uma chave de retomada, um núcleo que se aprimorado, pode fazer do transcendental uma realidade. Seras tu Accumbens?

sexta-feira, 13 de abril de 2018

manifesta




A humanidade define os verbos que movem seus ventos. Os indivíduos repetem sozinhos tais verbos até sentirem-se seguros de os fazerem reverberar na sociedade. Agredir. Romper. Sacudir. Convencer. Obter. Amar.

Manifestar. O metro quadrado variável. Manifestantes tem um número, autoridades tem outro. As imagens revelam trupes, os ares confundem no vento os objetivos. Estilos, ideais, ideias. Tudo se defende, todos se ofendem. Um "demo" do processo democrático a cada esquina. As praças ocupadas, as redes sociais soterradas. O mundo tornou-se cansativo em um cenário de manifestações estruturadas como desfiles de escolas de samba. Depois que a banda passa fica a sujeira nas ruas, o cheiro da urina, os estilhaços, as manchas de tinta, de sangue, o custo (público ou privado) de se restabelecer o ritmo da sociedade até a próxima manifestação. A desordem das palavras, o desencontro das pessoas, o desencanto. Os sentimentos suprimidos a orelhas de livros, a recadinhos de um instante, um toque dos dedos na tela, um emoticon que esconde nosso rosto.

A manifestação muitas vezes ignora os caminhos efetivos e formais de provocar a mudança necessária, e invoca ânimos para evocar o caos numa estratégia de “resetar” o sistema contra o qual manifesta. Ansiamos atalhos, tal qual o lobo mal. Mas os protagonistas desconsideram o mar de variáveis para alcançar os objetivos por estes meios. Desconhecem um modo eficaz de caminhar pela burocracia da formalidade e assim provocar as mudanças. Assim, decidem então pela ruptura brusca, o restart a partir das manifestações, dos bloqueios, do caos. O diálogo da gritaria, para romper a apatia de quem não deseja tomar em mãos bandeiras. Engraçado, mas quando se verifica o quê financia o quê, percebe-se que nunca são os opostos a brigar, mas os aliados em tempos diferentes. As ranhuras da sociedade acobertam as conveniências das vozes e narrativas.

Em uma onda de manifestar a indignação sobre tudo, até sobre a nata do leite, esquivamos de manifestar o amor, o equilíbrio, a aceitação das diferenças e a busca por soluções cordiais aos intermináveis conflitos de interesses. Vasto o mundo é, mas o ponto que todos desejam ocupar cabe poucos; o poder de controle. O epicentro, precisamos aprender muito ainda...


é só agua




Precipitou dos céus sobre nossas cabeças, naquela manhã de poucas surpresas. Despencou de nossas certezas a chuva que marcava o ritmo dos pensamentos. Que momento sublime, poder apreciar a vida em movimento.

Seus contornos, seu fluxo e contrafluxo, seus tempos e temperaturas. As rimas duras que faz em enxurradas de desilusões, o sublime toque dos seus versos a inundar os poros de um novo mundo. "É só água", ressoam. "É só corpo", pensam. "É só matéria", atestam. Doutores em nada saber, tudo julgar.

Quando se para a olhar a paisagem, parado não se está, mas sim em movimento; indo e vindo com aquilo que o olhar toca. Apreciar um dia de sol, refrescar-se na introspecção de um dia nublado, libertar-se em dias de chuva. Revigorar-se nas madrugadas, seja acordado, ou sonhando. Perpassar as ranhuras do solo, das árvores, das mãos, dos rostos; tudo integrado, tudo disperso. A vida não se submete às rédeas que criamos, aos cabrestos que tentamos impor, aos ponteiros que buscamos marcar, aos murros que damos no vento. Ela escorre, toca, vai...


terça-feira, 27 de março de 2018

têmporas


O céu de sólido sol cede o palco para nuvens que alteram a iluminação sobre meu rosto, a temperatura sobre minha pele. O anúncio da chuva, pelo cheiro no ar, é a introdução de uma bela sinfonia natural do porvir. A chuva, instrumentada de todos os tons, toques e ternuras avança gradativamente. Trocadilhos traiçoeiros, têmporas a mercê das temporãs.

O ritmo da vida ao redor faz outro sentido aqui dentro. A relevância dos fatos, a dimensão dos impactos varia tudo conforme o respirar, o interagir e a paz.

Foi assim a palavra sem alça despencando do "auto" de minhas ideias, atravessando meus sentimentos em um papel que nem tinta absorve, nem olhares retém. Essa bula, este manual do que me resta na curva dos versos de rimas tão amargas. A maestria do toque suave da paisagem muda o gosto e o sabor. Especialmente belo o dia me toca com paz. O inspirar o ar fresco da manhã, ouvir a vida ao redor é como ser abraçado de um modo especial.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Fator Humano



O avanço tecnológico é irreversível e a dependência social às novas ferramentas e facilidades também. A energia das baterias e a cobertura de sinal são os limitadores. Na comunicação, as novas plataformas e softwares facilitam a navegação pelas narrativas, percepção de peso da imagem e temperatura de discussões, no entanto, a tecnologia ampara-se em algorítimos, em fórmulas condicionadas, de forma exata. O perfil analítico necessário para manutenção dos processos evoca uma sensibilidade que tempera o que chamamos de Bom Senso. Sendo o bom senso um dos determinantes para a tomada de decisões.

Afora as discussões sobre a singularidade da I. A., os novos experimentos e as modernas plataformas de interação em uso em algumas áreas, o lugar do ser humano ainda é garantido quando se refere a constituição da sociedade. Entretanto, levantamento da consultoria McKinsey, em uma pesquisa global, atesta que 62% dos executivos de empresas de grande porte assumem a necessidade de substituir mais de um quarto do quadro de funcionários até 2023 em decorrência da automação e digitalização dos processos de trabalho. Treinamento e requalificação de profissionais será o inevitável fôlego corporativo. Os parâmetros para mensurar resultados em comunicação e definir estratégias, novas ações e planos de contingência precisam ser repensados.

O fator humano, a maneira como a espécie interage e interfere na paisagem é crucial no estabelecimento e manutenção das relações. A transparência e ética são as velas para empresa e indivíduos navegarem no ciberespaço e compreenderem o fluxo de cada um nesta malha em expansão, que parece não ter fim, a não ser a pausa, via botão de desligar dos hardwares em nossas mesas, mãos e bolsos.



terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Salto Ressoar


Como conversar sem agredir e conseguir criar uma reverberação narrativa conjunta? Uma avalanche de estratégias e conceitos inundam as plataformas à disposição de emissores e receptores (que alternam papéis entre si), mas o efetivo resultado desta dinâmica ainda não é mensurado e verificado como desejado pelas partes. Periodicidade, recorrência e qualidade são apenas alguns dos aspectos a serem considerados.

As redes sociais digitais vivem entre a atrofia da superexposição de conteúdo, o abuso das entrelinhas via influencers, a iminência das brigas e desavenças e o abstrato gesto de postar e curtir. As plataformas tradicionais da geração pré-millennials surta entre a maturidade de narrar o factual sem a obrigação do furo e a inviabilidade financeira do modelo de negócios desatualizado. As antigas plataformas operam entre a atualização do sobrefôlego (em busca de adaptar-se à contemporaneidade). Antes de obter equilíbrio, faz-se preciso compreender o que é o fiel da balança no que concerne à comunicação.

Entremeio a esse complexo fluxo de mensagens, narrativas e negociações de versões e influência de hábitos sociais (foco das mensagens e narrativas), está a consolidação das agências especializadas em verificar a “veracidade” das notícias e dos agentes produtores (fact-checking). A comunicação intensificou o boato institucionalizando-o e evoluindo-o a ponto de sobrepor a verdade (talvez por ser mais atraente, impactante ou até mesmo plausível) criando fake News e fake makers formalizando consequentemente a profissão dos verificadores. Para proporcionar uma estrutura que inspire a confiança, as agências de verificação são auditadas quanto a imparcialidade (apartidarismo), transparência de fontes, política de trabalho, fonte de financiamento, divulgação de política pública de correções.

Se a estratégia de gerar notícias falsas vem de uma articulação egoísta de influenciar o comportamento social, o hábito de compartilhar as notícias questionáveis provém do anseio humano de reforçar suas opiniões ouvindo e fazendo ouvir apenas o que quer ou ainda alimentar “o espirito de confusão” interferindo em uma discussão ou linha de pensamento.


O momento evoca a maturação da significação da comunicação, deixando de ser tarefeira e indo além de se considerar estratégica. Reverberar ideias permitindo reflexão, ressoar a mensagem na palavra que salta ao olhar a paisagem, e não apenas o retrato social. Se um tempo atrás foi interessante generalizar e massificar mensagens em bloco (robotizando ou não), faz-se necessário personalizar as mensagens e tratamentos. Um atendimento personalizado em determinados casos sobrepõe a agilidade de um atendimento primário geral, impessoal. 

A interação deve trazer a liberdade do pensar e interagir, em um salto sobre paradigmas que ressoe um novo tempo. O diálogo entre as partes precisa alcançar uma transparência e sobriedade que não é fácil. Assim, muitas vezes o diálogo tem sido terceirizado (via entidades representativas, agentes de lobby, assessorias). Todavia, a conversa precisa acontecer. 

;

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

fusos



O desafio na comunicação corporativa perpassa o relacionamento da Tecnologia e o conflito de gerações. Sendo que um fator determinante deste cenário é a necessidade de lideranças participativas, que saibam administrar as diferentes gerações e conduzi-las a vivência das novas tecnologias.

Futuro da comunicação ou comunicação no futuro. O “agora, já passou”. O foco das ações de comunicação já não está nas plataformas (intensificada após a efervescência tecnológica), mas sim no conteúdo; esse faz a diferença e interfere na malha social. Todavia, é importante conceber, formatar e disseminar de forma assertiva o conteúdo, revendo os resultados esperados, não basta buscar audiência por audiência. O volume não mais sobrepõe à qualidade de absorção da mensagem e manifestação da interferência.

O público procura se envolver com marcas e narrativas que corroboram com seus valores e propósitos. No entanto, vivenciamos valores volúveis e propósitos líquidos. O cidadão tem se estruturado assim e ainda impõe uma demanda por fidelização que extrapola os padrões estabelecidos pelas marcas, forçando-as a uma metamorfose incessante.

Um breve olhar sobre a paisagem e percebemos que as espécies são movidas pela busca. Players de mercado, ou influencers, então estudam o perfil destas buscas e oferecem alternativas de desejo que não são o objeto inicial da busca, mas são colocadas como o foco principal, transformando assim a busca, induzindo o mercado. Trata-se do aprofundam, então do agenda setting. Além de pautar as reflexões, interferir nas buscas e objeto de desejo.

A comunicação então deve estimular a convicção e não a repetição de mensagens e narrativas, mas sua multiplicação por absorção da mensagem e convicção do conteúdo. Neste processo, o lobby (que luta para ser devidamente regularizado) é uma estratégia de defesa transparente de temas chave na sociedade, assumindo um lado. Entretanto, o lobby tem sido depreciado em função dos maus lobistas. 

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) define o lobby como a comunicação oral ou escrita com uma autoridade pública para influenciar decisões políticas, administrativas e principalmente legislativas. Ampliando sua atuação na sociedade, o lobby é realizado pelas Relações Públicas, a partir da disseminação de narrativas setoriais.

Clientes então não podem ser vistos apenas como consumidores, mas sim cidadãos que se relacionam com mensagens e não com produtos ou objeto de resultados.


Pássaro verso
Pouso transcende
Voo ascende
Horizonte que dobra
O que ao vento passa
Beija a flor
Pássaro cor



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

emissário


Torta ao vento, a palavra enraizada segue seu rumo. Teus lábios como pétala de uma flor capturam meus sentidos no silêncio, e o tempo me impõe a tormenta da espera, esperança. Sempre há um pouco de partida em cada espera.


O dia nos nasce com um modo de perceber que depende de diversos fatores. Mas hoje foi um dia que brilhava sem agredir as vistas, que aquecia sem incomodar e refrescava sem deixar os pelos do braço em riste. Envolvemos nossa mente em uma série de frustrações do outro e de si, e acreditamos um dia tropeçar na cura para tais mazelas. Por vezes recorrentes buscamos o que não precisamos. Criamos conceitos que não se aplicam ao nosso repertório e depois sofremos com eles. E ainda desejamos tropeçar na cura que cai do céu. O dia então nos embala no aconchego do tempo para sentirmos ao invés de apenas passar. Sobrepõem-se então todas as sensações e o texto perde a pontuação. O dia despido da manhã, lavado da tarde, se embrenha na noite. O dia nos adormece, na esperança sem norte, até o porvir que não se anuncia.

Ninguém é mais o mesmo. Este eterno clichê. 

Borboletas na janela
o vidro é a retina dos meus olhos
bloqueio natural para o que belo é

corpo em trânsito no elixir da vida
as rimas contornam os poros dela
certeza do rumo do acaso que é
destino

escorrem dos olhos

o que a chuva não faz escorrer das janelas
O mesmo é mais ninguém. Clichê eterno este.


;

domingo, 31 de dezembro de 2017

espasmo






O amargo que percorre a língua encontra fim ao derramar na mente o pote de ideias em suspensão. O soluço não precede a rima ou soluciona o ocorrido. Ele causa a pausa. Da pausa o pulo, no pulo o sopro sem sofrimento. O corpo contorna as frases espalhadas na escuridão de um dia frio. O amargo então é o novo doce no repertório de sensações. A textura das frases, quando tocada, muda os sentidos transformando as palavras.

Observo como você manipula a carne. E a carne sucumbe aos seus gracejos, sem nem imaginar o processo de necrose em crescimento. A matéria se transforma, como qualquer outra no mundo, se rende a algum tipo de força... Não pisava nos astros distraída, se achava um novo sistema, independente, alimentando-se do derredor. Sábio foi o beija-flor que distanciou seu voo e desdobrou seu horizonte de forma a repousar sua paz na liberdade da distância.





quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Barato da vida


Foi o chão de encontro aos seus pés na manhã nublada de pensamentos espasmódicos. "Quão barato é uma vida..." A frase marcava o ritmo de suas passadas. Ver como era fácil retirar do bolso algumas notas e levar um animal de uma loja para casa. Na quase extinta banca de jornais e revistas percebe nas páginas como se mata por pouco, por um objeto, por orgulho travestido de honra e egoísmo envelopado em moral.  Assim como as plantas rompem o solo em busca do céu, crianças rompem o ventre e aumentam as estatísticas. O vento impõe na paisagem movimentos e sensações que despertam o corpo para um olhar de menos dor e cansaço, mas de esperança. Neste momento, o barato da vida se intensifica, atenua as lamentações de forma a fazer sucumbir os dogmas dos intelectuais. O valor. Peça chave nas relações humanas, determina também o perfil de interação com o ambiente. O valor que as coisas possuem, que difere do valor que colocamos nas coisas, o valor que buscamos acumular, o valor que dispomos para compartilhar. Valores imensuráveis, materiais, sociais, espirituais e de natureza que desconhecemos.

Não consigo ouvir meus pensamentos e encontrar neles a importância que um dia encontrei. Cabe saber se a importância que eu havia encontrado há tempos devia-se a imaturidade do infante apaixonado ou se existiu apenas naquela época, naquela faísca de brilhantismo que me empoderou a ansiar ser mais do que o reflexo, mas transformar com a refração.

Entretanto, o mergulho no horizonte sempre revela o que estava calado dentro.


segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

versos radiais

A teia dela estava consolidada ao canto, expandindo em seus versos radiais de forma a tocar o tempo. Que o vento não mais faça curva e desenhe a silhueta do seu corpo no meu escuro, interferindo na minha percepção do que passa, minha experiência com o que fica. Gotículas brilhavam em seus fios como sinalizadores de uma pista de voo. Impreciso; a lucidez de identificar a armadilha natural que a aproximação tornaria, que a contemplação instigaria. A primeira gota sobre a cabeça ilumina o cenário, a teia então torna-se apenas um risco, suspenso no vento, prestes a ser rompido, gerando outros fios.

Teia ao canto
desfiladeiro iminente
suntuosa escuridão

brilho que prende
nu vento que liberta
armadilha em um risco

Ateia o corpo
flamejante canto
que centro agora é